Sabia que a sua pele tem um escudo bioprotetor?

Ele se chama manto hidrolipídico, uma poderosa barreira protetora que mantém a pele naturalmente hidratada. Apesar do nome complicado, cuidar dele é superfácil. Vem saber!



Por toda a extensão da camada mais externa da nossa pele, existe um escudo bioprotetor que a gente não vê, mas precisa cuidar: o manto hidrolipídico. 

Também conhecido como barreira cutânea, ele é como uma película finíssima, um biofilme formado por uma emulsão de compostos hidrofílicos (gostam de água) e lipofílicos (gostam de gordura). Esta emulsão abriga uma imensidão de substâncias importantíssimas para a defesa e saúde da pele. 

Um exemplo? O ácido urocânico. Nunca ouviu falar dele? 

O ácido urocânico é uma espécie de protetor solar produzido naturalmente pelo organismo. Quando tomamos sol, antes mesmo do nosso corpo começar a fabricar a melanina (que protege a pele contra a radiação solar), nossas glândulas sudoríparas já estão em pleno funcionamento, produzindo o ácido urocânico. 

As funções do manto hidrolipídico 

Uma das grandes funções desse nosso bioprotetor é manter o fator natural de hidratação (FNH) da pele. Isso porque ele regula a perda transepidérmica de água. 

Funciona assim: enquanto o composto hidrofílico atrai e absorve a água para as camadas da pele, o composto lipofílico atrai e segura gordura. Juntos, eles criam um biofilme semioclusivo que impede a saída excessiva de água, ajudando a manter a pele hidratada. 

Outra tarefa importante que ele desempenha é conservar o pH da pele nos níveis adequados. Lembra que ele é uma emulsão? Pois, bem. Essa emulsão possui toda uma família de substâncias que garante o ambiente ácido da pele. Isso é fundamental para inibir a presença e a proliferação de micro-organismos nocivos. 

Como proteger o manto hidrolipídico 

A melhor maneira de proteger o manto hidrolipídico é manter a integridade dessa emulsão. A boa notícia é que isso é fácil se você seguir alguns cuidados básicos. 

Lavar a pele com produtos que não interfiram no pH cutâneo 

Ao contrário do que muita gente pensa, o pH da pele é levemente ácido e não neutro. 

Respeitar essa leve acidez é fundamental porque garante que o manto hidrolipídico exerça a função de inibir a ação dos micro-organismos nocivos que geram irritações e infecções. 

Além disso, com o pH intacto, menos chances de a pele ficar sensível. 

Então, a dica de ouro é: use produtos que respeitam o pH cutâneo. Geralmente, eles contêm a informação “não altera o pH fisiológico da pele”. 

Usar produtos adequados para corpo e rosto 

A pele do corpo é diferente da pele do rosto, portanto, o manto hidrolipídico também é! 

Por isso, o ideal é usar produtos específicos para essas áreas distintas – tanto pra lavar, quanto pra hidratar. 

E, claro, sempre usar produtos de acordo com o seu tipo de pele. 

Lavar o rosto apenas duas vezes ao dia 

Novamente, a importância de respeitar o pH do nosso biofilme protetor entra em cena. 

O pH da água é diferente do pH da pele. Então, cada vez que a gente molha o rosto (ou o corpo), ainda que a água seja puríssima, o manto hidrolipídico perde integridade. 

Como o nosso organismo é superinteligente e eficaz, nosso biofilme protetor se regenera sozinho. Mas isso leva cerca de 30 minutos e, durante esse tempo, a pele fica mais suscetível aos inimigos externos (poluição, bactérias, fungos etc.). 

Lavar o rosto apenas duas vezes ao dia é mais do que suficiente – lave ao acordar e antes do dormir. 

Ah! O mesmo raciocínio vale para a pele do corpo. 

A temperatura da água deve ser amena 

Você já deve ter ouvido falar que a água quente não é lá muito amiga da pele, né? 

Agora fica mais fácil entender o porquê: a alta temperatura desestabiliza as substâncias da emulsão que forma a barreira cutânea. Esse desequilíbrio também prejudica a integridade do manto hidrolipídico. 

Água morna é a saída. E banhos rápidos são sempre melhores. 

Você já sabia que a barreira cutânea é tão importante para a saúde da pele? Tudo tem uma função! Quanto mais a gente conhece a nossa pele, melhor a gente pode cuidar dela. Por onde começar? Sabendo qual tipo de pele é o seu. Clique aqui e faça o teste. 

___________ 

Vale lembrar que as informações deste texto não representam nenhum tipo de recomendação médica, nem substituem a importância de você consultar um dermatologista. 😉 

Assine e tenha acesso em primeira mão a conteúdos
sobre o estilo de vida tropical, urbano e contemporâneo.